Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 7 de março de 2011

Versos de uma Vida [Poesia de um louco]

Poesia de um louco

E eu fazia as poesias. 
E em meus versos as palavras se fundiam.
E eram tantas as poesias e com tantos versos,
que mesmo que eu quisesse,
parar com as poesias, jamais eu poderia.

E por estas e mais outras,
foi que de repente, para meu espanto,
sem explicação, como em um encanto,
as minhas poesias ficaram cada vez mais loucas.

Palavras juntadas, fundidas, expostas, irmanadas.
Depois de colocadas umas após as outras,
só se diferenciam pelas formas como podem ser usadas.
Faladas, cantadas, declamadas
ou apenas pensadas, ilustradas.

E a poesia é a beleza.
E a beleza se faz poesia.
Uma não existe sem a outra.
Pois da forma como é feita uma,
depende o sucesso da outra.

E eu fazia a poesia.
E eram tantas as formas, tantos os assuntos,
que quanto mais eu escrevia,
mais certeza eu tinha de que:
 a alma é a mãe da poesia.


Nenhum comentário: